Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

Posse

Avatar do autor tsetse, 04.11.08

Hoje em dia, a maior parte das pessoas, para além dos sonhos em casal (como, por exemplo, montar uma casa juntos, ter filhos, fazer uma viagem, etc.), têm também sonhos, desejos e ambições como indivíduos. Longe vão os tempos em que a maior parte das mulheres ficavam em casa a apoiar os sonhos dos maridos como sendo os seus. E, com esta nova individualidade, cresceu também a fobia ao domínio por outra pessoa e à perda de afirmação.

Se, antigamente, os ciúmes eram visto como uma prova de amor, hoje já só são aceites (pelo menos entre os seres inteligentes e com vontade própria) quando são em tom de brincadeira ou em dose moderada. Pessoalmente, considero que o ciúme é um sinónimo de desconfiança e, até, de desrespeito pelo parceiro. Por várias razões:
1. Se uma pessoa não confia no parceiro, como pode querer partilhar uma vida saudável com ele?
2. Se não confia, é porque acha que o outro não é de confiança. No fundo, acha que o outro é mentiroso e/ou promíscuo. Ou seja, é um insulto.
3. Como pode uma pessoa evoluir livremente e em toda a sua potencialidade, se tem alguém a controlá-la e, portanto, a restringi-la?

Com isto, não quero dizer que as pessoas devam ser livres para se enrolarem com quem quiserem e quando quiserem, nem que deixa de ser uma falta de respeito andar a fazer charme a terceiros. Devem ser livres para escolher o seu caminho e, se esse for errado, devem aceitar as consequência. Também não quero dizer que se deve aumentar as tentações ou até descurar os perigos. Deve haver alguns cuidados, mas nunca imposições.

Já agora, enquanto escrevia isto, apercebi-me que nunca sofri deste mal. Não sei se por os meus parceiros terem-me achado inofensiva ou por perceberam que eu jamais toleraria tal comportamento. E a verdade é que, realmente, nunca o consentiria. Por todas as razões apontadas e mais uma: valorizo muito a minha independência.

 

Tsetse

Nunca subestimar uma mulher despeitada...

Avatar do autor TNT, 14.07.08

Muitas vezes se ouve “Ah e tal, ele tem namorada mas vai deixá-la. Vai acabar com ela para ficarmos juntos...” Até pode ser verdade! Embora a maioria das vezes não passe de uma grande patranha... Porém, caso se realize, uma coisa é certa: se aconteceu com a outra, também pode acontecer connosco. E quanto a isto, as mulheres devem ter sempre os olhinhos muito abertos. Porque milagres é só em alguns locais a designar e raramente nos calha a nós!

Quando somos a actual e existe uma “ex” despeitada por ter sido trocada, convém andarmos sempre uns passinhos à frente. Se o tipo fez isto uma vez, vai com certeza fazer uma segunda ou terceira. E pode perfeitamente calhar-nos a nós! Por que não?

Até porque há poucas coisas que dão mais prazer a uma mulher despeitada do que fazer a folha ao gajo que as deixou agarradas! E nada melhor do que sacar o gajo novamente, nem que seja por uma noite ou duas, só para ter o prazer mórbido de enganar a outra. A grande rameira! Que, provavelmente, não é vista nem achada na questão, mas que vai levar com um grandessíssimo par de chifres sem perceber sequer donde ele vem.

As “ex” têm argumentos poderosíssimos para conseguirem sacar a sua presa. Conhecem-na como a palma da mão, as fraquezas, as preferências, os gostos e os desgostos, o que lhes facilita imensamente a tarefa. Acreditem...! Been there, done that... and more than once!

Por isso, meninas, nunca deitem grandes foguetes quando o tipo decidir entrar nas trocas e baldrocas. Se uma vez são eleitas, na vez seguinte podem ser derrotadas na secretaria. Com esquemas próprios de quem domina os meandros da coisa e todas as questões burocráticas em torno do pódio.

É o sistema...

 

TNT

Raios Partam este Vírus!

Avatar do autor TNT, 21.07.07

Este é um tema muito delicado para mim e tenho evitado falar nele o mais possível. Mas pronto, cá vai! Quer se goste, quer não se goste, vamos tratar de um tema muito complicado: o ciúme...
 
Interrogo-me porque haverão pessoas ciumentas e outras que não estão nem aí... Analiso o tipo de pessoas de cada lado da barricada e verifico que nada tem de ver com aspecto físico, segurança, auto-estima ou outro estilo de características normalmente referidas em dissertações sobre o tema. Concluo no entanto, e aqui vai uma bomba, que o ciúme é propriedade exclusiva do prevaricador.
 
Quem não prevarica nem se apercebe dos perigos. Não tem a noção do que se é capaz. A inocência é a sua melhor arma. A ingenuidade é um descanso e a ignorância, a total tranquilidade.
 
Quem prevarica é ciumento. Todos os ciumentos são prevaricadores e todos os prevaricadores são ciumentos. Sofrem horrores porque sabem do que são capazes. Desconfiam de cada passo, de cada toque, de cada sorriso, de cada ausência. Eles sabem o que isso tudo quer dizer, mesmo que não queira dizer nada! É um cansaço, um desassossego permanente. Por se pensar que todos são iguais. Que todos são capazes do mesmo...
 
Tranquilizem-se algumas mentes... Há pessoas que não são infiéis! Que conseguem manter uma relação durante anos sem a bela da facadinha! Por incrível que pareça, eles existem! São aqueles que trazem tranquilidade no olhar e que sorriem só por amor. Sem outras intenções de se fazerem perdoar ou de agradar por antecipação, não vá o diabo tecê-las.
 
O nosso narcisismo impede-nos de achar que existem pessoas diferentes. A raça julga-se toda um reflexo de si própria pelo que os ciumentos/prevaricadores acham que a filha-da-putice é uma característica global. E do mesmo mal sofrem os tranquilos/fiéis. Esta raça não é ciumenta, porque acha que o resto do mundo é todo assim.
 
O ciúme é como um daqueles vírus marados criados em laboratório. Deveria ser contido em ambiente controlado, porque se reproduz à medida da comunicação inter-racial. Um tranquilo/fiel ao cruzar com um ciumento/prevaricador, vai sentir o sabor da infidelidade e do consequente ciúme. Passa então a ser ciumento e com o tempo, infiel. É uma verdadeira praga, sem remédio, sem vacina, que se propaga a uma velocidade estonteante.
 

Solução? Só vejo aquela do apuramento da raça... Nada de misturas e pode ser que assim alguém se safe!

 

TNT