Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

Implicar é sinónimo de...?

Avatar do autor TNT, 03.12.08

Esta madrugada, ao ver um episódio antigo de “O Sexo e a Cidade” reparo numa observação de uma das personagens ao dizer “as mulheres implicam com os homens quando gostam deles. É genético, está-nos no sangue.”

Achei a observação curiosa e assaz pertinente por ser tão fantasticamente verdadeira! A maioria das mulheres implica ou embirra com os homens de quem gostam. Por que eles devem fazer assim e assado ou por que não devem fazer assado ou cozido.

 

Será que é por sermos chatas? Será que é para nos armarmos em boas? Ou será que o nosso sentido protector em relação àqueles que gostamos nos impele de forma completamente irresistível a querermos que eles estejam melhores, mais preparados e sejam mais felizes?

O meu caso é, definitivamente, este último.

Não suporto ver as pessoas de quem gosto em maus lençóis. E, mesmo que não me peçam, mas se as posso ajudar – nem que seja embirrando no sentido de as “obrigar” a fazer coisas que aparentemente não vêem como solução – é isso que faço. Não é inteligente, eu sei. Sei que as pessoas devem aprender a virar-se sozinhas e no máximo deveríamos adoptar aquela história da cana de pesca e tal. Mas eu não resisto!

Para mim, é muito fácil ajudar quem amo. E isto não se reduz apenas a caras-metades. É extensível a amigos, família, amigos de amigos, etc. Estou sempre pronta a arranjar soluções para toda a gente, a ter ideias para melhorar a vida dos outros.

Tudo isto pareceria muito bonito, se eu não me esquecesse de mim... Esta é a parte idiota da coisa. Ou seja, tenho o péssimo hábito de pôr o bem-estar das pessoas que gosto à frente do meu próprio. Mas, vendo bem, creio que esta é a tal parte genética que assiste às mulheres e a que a Miranda da série se referia!

De todas as mulheres que conheço, só uma põe os seus interesses à frente dos de toda a gente. E de que maneira! E, curiosamente, não embirra nem implica nada com o marido...

Será que a implicância e o altruísmo andarão de mãos dadas?

 

TNT
 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    TNT 03.12.2008

    Miguel,
    Nos últimos tempos, a minha vida transtornou-se um bocado e o meu sentido de humor ainda não foi recuperado.
    Daí, não perceber se estás a concordar ou a ser simplesmente irónico.
    Nem estou numa de provocação, estou simplesmente a ser honesta. Desculpa a minha falta de percepção. Esperemos que seja temporária...
  • Sem imagem de perfil

    Miguel 04.12.2008

    Na verdade, estava a concordar e a ironizar.
    Todos, homens e mulheres, implicamos com as pessoas de quem gostamos, porque gostamos delas.
    Se alguém "que não nos diz nada" tiver um comportamento ou uma atitude que não nos satisfaz, em regra não ligamos. Mas quando são as pessoas de quem gostamos a ficar aquém das expectativas, então sentimos que lhes devemos chamar a atenção (leia-se implicar). Afinal, apenas tentamos que se portem à altura do que delas esperávamos, certo?
    Ao usar a ironia, apenas queria expressar a minha opinião: a quantidade de implicância não está directamente relacionada com a quantidade de amor. Porquê? Porque as mulheres, muito mais do que os homens, sentem necessidade de implicar. Acredito, sinceramente e sem ironia, que não o fazem por maldade, mas que precisam de implicar, precisam.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.