Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

Os Motéis e a Virtude

Avatar do autor TNT, 29.10.07

Contava-me um amigo, uma história mirabolante que não posso deixar de partilhar. Perdoem-me os intervenientes, mas nem sequer os conheço! Azarito!

Falava-se de motéis – daqueles com espelhos, cadeiras, camas redondas e jacuzzi – quando ele me conta a história que se passou numa conversa similar entre um grupo de amigos, dentre eles, um casal sui generis. Ele, o maior engatatão da história, infiel a torto e a direito e gabarola, ela muito apagada e metida num cantinho... Cenário montado? Estão a ver o filme? Então vamos a isto!

Pelos vistos e no meio da conversa de motéis com as características referidas, a rapariga atira com uma bomba: “Ah sim, sim... Aquele ali em Albarraque...?”

O dito namorado, à beira de uma apoplexia, olha com ar de censura para a donzela praticamente virgem e interroga-a com laivos pidescos, como é que ela conhecia Albarraque, escusando-se a entrar em mais pormenores por causa da presença dos amigos que já o gozavam à farta... A rapariga lá disfarçou, sempre com um ar muito inocente e incrédulo das acusações veladas, e a converseta da cobrança ficou por ali... Os amigos, tão manhosos como o dito, ficaram a comentar o calibre da menina e acima de tudo, o ar de incredulidade do visado...

E comento eu... “Havia de ser comigo... levava logo ali com um comentário que nunca mais se atrevia a humilhar-me! Que tinha lá passado uma tarde maravilhosa e quando ele quisesse, podíamos ir experimentar porque valia mesmo a pena! Calava-se ele e os amigos... era limpinho!”

A verdade é que os homens acham muito giro falarem das suas conquistas e das loucuras que fazem (ou que imaginam que fazem) com elas. Mas se uma mulher se chega à frente e se documenta com pergaminhos e respectivas localizações, é logo uma devassa e responsável pelo aumento de fluxo das urgências cardiovasculares do Santa Maria!

Os machos lusitanos – não, não estou só a falar dos cavalos – não conseguem conceber que se pode gostar de variar, sem se ser a rameira mais conhecida da zona. Para eles, todas as mulheres são putas, à excepção das santas mãezinhas que só prevaricaram para a divina concepção das suas pessoas, as santas irmãzinhas que serão virgens até casar pela igreja e por fim, as santas mulherzinhas que nunca conheceram nem conhecerão outro homem para além deles.

É como eu costumo dizer... anda meio mundo a enganar o outro meio!

TNT

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    LOCO 31.10.2007

    Sr. Tiago....
    texto bem escrito, nem uma virgula falta! Só não tem conteúdo e revela uma perspectiva das mulheres de todo vulgar, ou são santas (as de casa) ou são p*** todas as outras que conhece! Digo-lhe como mãe, mulher e esposa que nada entende do "interno feminino". Abra a mente e sem juízos pré definidos, deixe-se encantar pelo "inimigo"!
  • Sem imagem de perfil

    eusoutiagorolo 31.10.2007

    Loco:

    Concordo consigo só falando da vulgaridade....e da falta de conteúdo....com que vivemos todos os dias...é que conseguimos abrir a mente....e abrindo-a é um prazer.....o prazer é muito abrangente, vai do prazer da comida ao de cheirar uma flor, dos sentidos à contemplação interior, dos factos às ideias.....as ideias, são simplesmente ideias.....se calhar......é uma coisa desconfortável, como se nos estivéssemos a confessar.......mantenho-me vivo e crítico perante a sociedade....
  • Sem imagem de perfil

    LOCO 31.10.2007

    .... VIVA.... tenha ideias....seja critico....confesse....!Mas escolha outros alvos (não só as mulheres) há muito mais na vida/sociedade que merece a sua amargura, a sua opinião. E confesso que pela forma como se expressa, elas devem ser interessantes.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.