Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

Sexo e Amor: Parceiros (in)Separáveis?

Avatar do autor TNT, 07.02.07

Destaco de várias leituras que o sexo é sempre melhor se temperado com amor. Ah e tal, “fazer o amor” que é lindo e que isto e que aquilo.

Eu, como já se devem ter apercebido, não sou romântica nem muito dada a estas coisas do amor. Been there, done that, still think that’s overrated...

O olhar que se troca, entre a loucura e o quase limite do desespero de um orgasmo em simultâneo, essa cumplicidade momentânea, é preciso ser misturada com amor? Não necessariamente...

Em conversa com amigas trintonas, reparo que o amor é sempre muito valorizado no sexo, porém contam-me aventuras tórridas de sexo irresistível com pessoas com quem não têm grande relação, muito menos amor. Então... como ficamos?

Há pessoas com quem temos sexo uma vez e é absolutamente fabuloso. Com outras, sobram braços e pernas e parece que os tempos estão sempre desencontrados. Com outras, temos sempre a sensação que ainda não foi desta, que falta ali qualquer coisa. Com outras, parece que nunca mais acaba e com outras que foi depressa demais.

O que eu quero dizer é que nestes encontros e desencontros prazenteiros, o amor pode ajudar mas não é nem obrigatório, nem necessário. Na minha opinião, tem muito mais que ver com químicas, cheiros, sabores, predisposição para a coisa, energia.

Tenho a certeza que toda a gente já sentiu uma atracção sexual irresistível que nos leva à loucura e a praticar loucuras, mas aquilo tudo bem espremido, nem paixão dá, quanto mais amor!

Portanto vamos deixar-nos de subtilezas e explicar-nos bem. O sexo não é necessariamente melhor com o amor. Já o amor, é infinitamente melhor com bom sexo!

Certo...? Certo!!

TNT

2 comentários

  • Imagem de perfil

    TNT 07.02.2007

    O amor é bonito... que é!
    Mas o que se questiona é se o sexo e amor podem ser independentes e igualmente bons. Ou se as qualidades de um elemento melhoram com a intervenção de outro.
    Para mim amor é bom. Sexo é bom. Porém, podem ser independentes.... Já o amor às árvores, pois... não sei o que lhe diga. E permita-me que lhe diga que há sexo que vale a pena sem amor. Dizer que nada vale a pena sem amor, é um bocadinho redutor, não lhe parece?
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.