Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

Estratégias para manter uma relação

Avatar do autor tsetse, 31.01.07

A maior parte das relações tendem a perder o interesse ao fim de algum tempo. As pessoas já conhecem quase tudo sobre o outro, já estão cansadas dos seus defeitos e os temas de conversa começam a faltar. Há, no entanto, quem encontre um ou mais caminhos para adiar este destino.

As estratégias mais comuns para combater este flagelo são:

1. A estratégia dos projectos
A ideia é estar sempre a arranjar projectos, para ocupar o tempo e ter novos temas de conversa. Normalmente, o primeiro projecto é a compra da casa. Depois, vem a decoração da mesma. A seguir, vêm os filhos, a casa de praia, o lar. Tudo serve para adiar a falta de assunto.

2. A estratégia de evitar o outro
Passam o dia sem fazer quase nada, para ficar no trabalho até mais tarde. Ao final de semana, combinam festas com mais pessoas, idas ao futebol e mais trabalho. Assim, vão adiando o contacto com o parceiro, na esperança que o outro não descubra que já não há assunto.

3. A estratégia dos moinhos de vento
Aqui a estratégia é manipular o outro e arranjar conflitos imaginários. Assim, têm sempre assunto e apoio. O mais comum é começarem por transformar pessoas críticas ou indiferentes à sua relação, em inimigos. Depois, inventam uma cruzada contra os infiéis que ousaram não acreditar naquele amor, na esperança de o fortalecer. A seguir, arrastam o seu Sancho Pança contra outros moinhos de vento. Muito simples e eficaz, principalmente entre parceiros, digamos que, pouco inteligentes ou sem opinião própria.

4. A estratégia das discussões
A ideia de quem a pratica é, primeiro, arranjar mais assunto e, depois, criar interesse com as reconciliações. Esta, sinceramente, não percebo muito bem. Só sei que há quem a pratique e, pior, que tenha sucesso.

5. A estratégia das actividades
A ideia é estar sempre a arranjar coisas interessantes para fazer a dois. Há dois tipos de actividades: as que se repetem e que ocupam muito tempo e as surpresas. Dentro do primeiro grupo estão: danças de salão, ranchos folclóricos, idas frequentes ao cinema, torneios de bridge, escalada, etc. A ideia é encontrarem coisas que ambos gostem de fazer e que lhes tragam mais assunto. As surpresas servem para contrariar a rotina e, mais uma vez, para aumentar os temas de conversa. Exemplos de surpresas: ir à praia ver o pôr-do-sol e levar uma caixa de sushi para comer a dois; deixar de ser forreta e oferecer bilhetes para uma viagem ao Japão; etc (que o resto das ideias ficam para mim... ou deixariam de ser surpresa).

Qual a mais correcta? Qual a que funciona? Isso depende dos princípios morais e do gosto de cada um. Há quem misture todas. Eu, prefiro a última, como devem ter notado. Gosto de animação e de companhia.

Tsetse

33 comentários

Comentar post

Pág. 1/2