Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Interno Feminino

Divagações e reflexões do mundo no feminino. Não recomendado a menores de idade ou a pessoas susceptíveis.

E o aniversário está quase aí

Avatar do autor tsetse, 26.04.07

Pois é, este Domingo fazemos um ano! E, como sabem, estamos a preparar uma série de textos e actividades para comemorar.

Acabei agora de fazer a parte mais difícil: a ode ao sexo masculino, sem grandes piadas ou insultos. Está curto, pois não há assim tanta coisa a dizer, mas está bonito. Fiquei surpreendida!

O resto está feito e terminado e mal posso esperar pelo momento em que vamos partilhar tudo com vocês.

Aqui ficam mais duas das perguntas, para começarem a exercitar a vossa imaginação.

Pergunta deles, para elas:
"Luz acesa ou apagada?"

Pergunta delas, para eles:
"Têm algum cuidado para que a mulher (com quem partilham a intimidade) não descubra algum ponto negativo? Exemplos: correr para lavar os dentes, antes de ela acordar; encolher a barriga quando ela chega..."

Tsetse

And the Countdown has Began!

Avatar do autor TNT, 24.04.07

Pois, é... A contagem decrescente já começou!

E tal como prometemos vamos começar por dar-vos um cheirinho de algumas dúvidas existenciais que a todos nos atormentam, homens e mulheres.

Para Elas

“Os homens fingem ter prazer no sexo como as mulheres? Expliquem-se!”
E meninas, já temos a resposta! E adianto que é deveras esclarecedora!

Para Eles

“Os homens aparentam falar de sexo com facilidade, mas a verdade é que somos muito reservados. Sempre nos questionámos se as vossas conversas seriam mais explícitas, como imaginamos...” E sim, também já escrevemos a resposta...

Estes são apenas alguns dos exemplos das dúvidas que vamos esclarecer no dia 29 de Abril. E vamos fazê-lo devagarinho... com cadência... A partir das 00H01 tudo estará a acontecer neste blog!

Como já referimos, os textos sobre nós já estão alinhavados, ainda sujeitos a pequenos acertos. Sim porque ainda estamos a decidir se revelamos características físicas... Não sei até que ponto haverá interesse em falar-se do decote da Tsetse ou das minhas pernas...

O que vos parece?

Stay tuned... Amanhã há mais!

TNT

Interno Feminino no seu melhor!

Avatar do autor TNT, 18.04.07

Caríssimos,

Depois do casamento de Hitler com a amásia Eva Braun, depois da morte desse monstro maior do cinema Alfred Hitchcock, depois do nascimento de Jerry Seinfeld e da instituição da Glasnost na antiga União Soviética, outro acontecimento igualmente marcante teve lugar no infame 29 de Abril: O Interno Feminino surgiu destas duas meninas que tanto se têm divertido a fazê-lo (Tsetse e TNT).

 

Depois de termos pedido a vossa preciosa colaboração (a qual agradecemos profundamente) para celebrar o primeiro aniversário deste nosso/vosso blog, decidimo-nos por várias coisas, uma vez que, não queríamos desapontar ninguém. E como somos umas raparigas cheias de energia, vamos a todas... ou quase!

O Bruno e o Jameson propuseram uma parceria com o blog masculino No Messages in Inbox. Vamos publicar a rubrica “Tudo o que sempre quisemos saber, mas nunca tivemos coragem de perguntar”. Nós respondemos a dúvidas existenciais milenares sobre mulheres, eles respondem às nossas... Ah! Pormenor importante: eles são 7! (Para lhes darmos alguma vantagem!)

A Kika acha que devemos escolher o melhor comentário em honra dos nossos leitores. Nós também! Por isso a Tsetse escolhe um e a TNT escolhe outro. Socorro!

O Júlio, com muita graça, gostava que nós fizéssemos as pazes com o sexo masculino. Vamos fazer uma ode ao cromossoma Y. Ai... este vai-me custar tanto!! (TNT)

E finalmente Nunix, vamos fazer-te a vontade! Vamos escrever umas coisinhas sobre nós. A Tsetse escreve sobre a TNT e vice-versa! Humm... prometemos revelações escaldantes dignas de tablóides britânicos...

Ufff! Com tanto trabalhinho é melhor terminar já por aqui, para pormos mãos à obra!

Tsetse e TNT

 

Os direitos iguais mataram o cavalheirismo?

Avatar do autor tsetse, 13.04.07

Quem lê este blog com alguma frequência sabe que eu sou uma forte defensora dos direitos iguais. Sei que outras autoras não concordam comigo, mas a graça deste blog está também na diferença de opiniões. Defendo direitos e deveres iguais e gosto de pagar os jantares a meias.

No entanto, defendo alguns comportamentos que, para mim são apenas cívicos, mas que para os outros são muitas vezes considerados discriminatórios. Por isso, já tive que ouvir várias vezes comentários como: "Se queres a igualdade, porque esperas que os homens te abram a porta?"
A resposta é simples: porque aprecio as pessoas civilizadas e atenciosas. Na realidade, eu não peço mais do que eu dou. Eu também abro a porta à minha avó, quando ela anda comigo de carro. Eu também deixo passar as senhoras mais velhas, à entrada dos elevadores. Eu também fico à espera que as minhas amigas entrem em casa. Eu também me baixo para apanhar o que alguém mais velho deixou cair.

Ou seja, há uma série de regras que nos ajudam a viver de forma civilizada e, se as seguirmos, escusamos andar todos aos empurrões e a pensar na melhor maneira de ser atencioso.

Alguns exemplos:
- Quando estão várias pessoas à espera para passar por uma porta, deixa-se passar primeiro as mulheres e depois os homens. Entre pessoas do mesmo sexo, deixa-se passar primeiro as pessoas mais velhas. Assim, não há empurrões nem tempos mortos de espera, do tipo "ai será que ele passa ou não, espero ou não... e entretanto já aqui estou a aqui a fazer figura de parvo".
- Quando várias pessoas vão entrar num carro, em vez de se discutir quem vai à frente, já se sabe como escolher: prioridade para a mulher mais velha.
- Quando se vai sair com uma pessoa mais (ou igualmente) frágil, deve-se acompanha-la a casa e garantir que a mesma entre em segurança.
- Quando um homem leva no seu carro uma senhora (ou uma senhora leva no seu carro alguém bastante mais velho), deve sair para abrir a porta e certificar-se de que esta sai em segurança.

E tudo isto não é discriminação, é civismo!

Tsetse

Olhó Robot!

Avatar do autor TNT, 11.04.07

Há uns tempos vi um filme com a lindíssima Nicole Kidman que tratava de uma comunidade de sonho para qualquer homem que se preze. As mulheres eram lindas, elegantes, bem-dispostas, disponíveis, bombas na cama e umas autênticas fadas-do-lar. Claro que não há bela sem senão, e as fabulosas Stepford Wives eram robôs programados para agradar aos homens. Desprovidas de qualquer traço personalístico, convicção e opinião, as máquinas estavam ali para satisfazer qualquer capricho masculino, sem qualquer reclamação e com um sorriso “pepsodent” permanente nos lábios.

Ora eu confesso, que não foi já uma vez nem duas, que disse que gostaria muito de ter um remote control para os homens a quem acho piada. Porque assim, podia calá-los quando começassem a ficar chatos. Podia movimentá-los, quando a mim não me apetecesse. Podia pô-los a cantar-me ao ouvido, a dançarem para mim, a cozinharem, a servirem-me o pequeno-almoço na cama...

Enfim... a única coisa que não poderia fazer seguramente era admirá-los e respeitá-los. E isso, é fundamental. Sem isso, não há qualidades que lhes valham... Para mim, é indispensável sentir admiração pelas criaturas. Tenho de gostar de os ouvir durante horas seguidas, se for caso disso. De ficar pasmada com a sua originalidade. E já agora, preciso que me façam rir até às lágrimas, que a vidinha sem rir não dá!

Um Stepford Husband não é para mim. Quer dizer... de vez em quando, até dava jeito!

TNT

A Irmandade do Anel

Avatar do autor TNT, 08.04.07

Noutra noite falava sobre sms’s e a minha inabilidade total para respostas “românticas”. A bartender tinha-me ajudado a responder a umas missivas no fim-de-semana anterior e perguntava-me como estavam as coisas e tal.

Ela, apesar de ser uma miúda, tinha uma clarividência na apreciação dos comportamentos masculinos que me confundiu. Rapidamente percebemos (eu e outra ilustre autora deste blog) a que se devia tanto esclarecimento: ela tem dois irmãos mais velhos...

Esta coisa dos irmãos mais velhos, traz uma vantagem competitiva invejável. Tudo o que as outras mulheres têm de aprender às suas custas, todas as decepções com que levam desde a pré-adolescência, as irmãs mais novas, sobrevivem incólumes a estas intempéries, tendo aulas em casa desde que nascem, com formadores de alto gabarito!

Conhecem-lhes as manhas, as tangas, sabem porque fogem, porque telefonam, porque não telefonam, porque atendem, porque não atendem, porque permanecem com as namoradas, porque as deixam... enfim, todos aqueles mistérios para os quais gostaríamos de ter respostas. E as respostas que conseguimos ter aos 30 anos, elas têm-nas aos 15!

Vivem nos habitats naturais juntamente com as criaturas em descanso. Têm a noção completa dos comportamentos da espécie. Fazem parte da tribo sem as obrigações das fêmeas comuns. Têm os privilégios sem os inconvenientes. E acumulam saber e segredos valiosos a que só elas têm acesso.

Evitam assim, desgostos, figuras tristes, decepções, desilusões, não se alimentam de falsas esperanças, têm a noção exacta dos timings e raramente falham!

Bem que eu quando era pequena tinha um irmão imaginário. No íntimo, já sabia que me faria falta...

TNT

Relações à distância

Avatar do autor tsetse, 05.04.07

As relações à distância (e em especial as que já começaram à distância) têm uma série de características em comum:

1. O casalito, nos raros momentos em que se vê, está bastante determinado em mostrar o melhor que há em si e em fazer coisas animadas, para aproveitar os poucos momentos juntos. Ou seja, nem sempre mostra o que realmente é, e até a pessoa mais sem graça, pode parecer ter a sua piada.

2. Quando o casalito está longe, tem o conforto de ter alguém que o acha o "meu mais do que tudo", com a conveniência de estar mais ou menos solteiro, ao mesmo tempo. O que é uma grande vantagem para as pessoas que gostam do seu espaço, mas que são, em simultâneo, carentes.

3. A partir de um certo tempo nesta situação, começa a crescer um certo desconforto. Uns começam a querer viver na mesma cidade, pois acreditam que o comportamento que a cara-metade mostra nos finais-de-semana (ou nas férias) vai se manter no dia a dia, os outros começam a sentir a corda na garganta e passam a questionar "mas é mesmo com esta pessoa que eu quero partilhar a casa?", ou "mas será que eu gosto o suficiente dele ou dela?".

4. Mesmo que ambos estejam de acordo e tentem viver na mesma terra, a desilusão está quase sempre presente. Porque raramente a pessoa consegue manter, no dia-a-dia, a boa disposição das férias.

Pois é, é uma situação muito complicada. E já vi várias a acabar mal.
(Depois não digam que eu não avisei...)

Tsetse

Tratamento para os Solosexodependentes JÁ!

Avatar do autor TNT, 03.04.07

Contava-me uma amiga, que teve um vivente durante uns anos, que de vez em quando ainda se encontram para recordar velhos tempos de cama. Lembro-me que a relação deles quase acabou à bofetada, o que levaria a pensar que jamais aquelas criaturas se iriam cumprimentar no meio da rua, quanto mais, embrulharem-se de vez em quando.

O sexo é tramado. E sexo com algumas pessoas é um vício. Leva-nos a fazer coisas que não devemos, a meter-nos em confusões que não precisamos. Mas a verdade é que tem de ser.

Há pessoas que passam pelas nossas vidas que encaixam na perfeição nas questões da cama. Podem não encaixar em mais lado nenhum! Mas ali a coisa flui, é música, é loucura, é tudo o que precisamos no momento. O mau é que todo o resto não funciona. Ou porque ele é egoísta, ou porque é infantil, ou porque é galdério, enfim, isto apenas para referir os defeitos mais recorrentes da espécie masculina.

Mas a cama... ui a cama! Dá para nos esquecermos de tudo quanto é mau. Somos capazes de tudo. Somos capazes de prolongar relações que já não existem. Somos capazes de deixar o trabalho a meio para ir dar uma rapidinha com aquela pessoa. Somos capazes de trair o actual para nos embrulharmos com o ex. Somos capazes de dar bandeiras que nos prejudicam no trabalho por exemplo. E tudo isto por uns momentos de loucura!

Sei que existem pessoas que são viciadas em sexo e para essas há tratamento, tipo AA. Mas o que fazer quando se é viciado em sexo com “aquela” pessoa? Só com uma pessoa? O que fazer quando preferimos ir para a cama com um(a) idiota em vez da pessoa maravilhosa que amamos e que está ao nosso lado?

Somos os solosexodependentes do século XXI...
Vá, precisamos de tratamentos! Antes que isto dê tudo para o torto e percamos as relações, os empregos, a dignidade e outras questõezitas de pormenor...

TNT

Pág. 3/3