tsetse @ 17:20

Seg, 07/09/09

Se há histórias que me deixam pasma são aquelas que metem homens egoístas e (tinha que haver um "e" ou estaria quase sempre pasma) mulheres que aceitam as parvoíces mais estúpidas que eles inventam para manter as suas regalias. Dentro deste género (infelizmente comum) de histórias, ouvi três bastantes parecidas, que podem formar um subgrupo: homens que decidem viver com a companheira em casa da sua ternurenta e solícita mamã.


Não estou a falar de casos de pessoas desempregadas, sem madeira para construir uma barraca, mas de pessoas com um emprego estável e um bom ordenado. E, se eu já acho que um desempregado que não saiba usar um machado para obter madeira suficiente para um "amor e uma cabana" não é um macho desenrascado, nem sei que nome dar a um tipo que ganha bem e que, para não perder o privilégio de viver numa boa casa, com a comidinha feita pela querida mãe, roupa lavada e passada, mais a linda companheira a completar o quadro, para poder ter sexo acompanhado quando quiser, sem ter que cometer incesto.
 
Que para eles é muito confortável, acredito, embora não compreenda. Eu teria vergonha, mas cada um sabe de si. Mas o que é mais difícil de adivinhar é o que se passa na cabeça das suas companheiras, para aceitar tal acordo. Dos três casos que ouvi, apenas conhecia duas das intervenientes e posso assegurar que eram trabalhadoras, simpáticas, amorosas e, coincidência ou não, com uma grande ingenuidade e uma terrível auto-estima. E, só por causa destas características, posso ver a luz sobre a cegueira das mesmas.

 

Mas como é que se pode achar normal começar uma vida a dois num lar gerido por outros, quando não têm necessidade de o fazer? Como é que uma mulher pode dizer ao seu companheiro que ele tem de a ajudar a fazer o jantar, quando a mãe deixou um bacalhauzinho à Brás no congelador, para o caso de o menino ter fome? E como é que ele pode ser tão egoísta ao ponto de querer manter o seu conforto, na sua casa de sempre, mas que a mulher saia do conforto dela, só pelo privilégio da sua companhia, mesmo que para isso tenha que se sentir uma pessoa "de fora" no seu próprio lar? Só pode ser um louco egocêntrico, egoísta, sem o mínimo bom senso ou consideração pelos outros.


Às meninas que alinham, só posso dar um conselho: se eles, com um bom ordenado, não querem sair da casa dos papás, então não interessam a ninguém. Se o vosso problema é auto-estima, melhorem-na e depois escolham alguém com mais carácter. E boa sorte. Bem precisam.


Miss Kin @ 20:45

Seg, 07/09/09

 

Conheço uma história nesse género, mas ela não aceitou (mais esperat do que eu pensava!). Neste caso, não é só o facto de ele não querer perder o conforto e não sei mais o quê, é que a irmã e o cunhado moram lá, mais a avó e os cães... Ou seja, grande comunidade!

Não era para mim...


tsetse @ 00:36

Ter, 08/09/09

 

Ou seja, ele quer continuar a viver nessa comunidade e manter as vantagens adquiridas. Vai dar ao mesmo.


cigana @ 22:30

Seg, 07/09/09

 

Estas histórias, ou outras parecidas, foram comentadas naquela célebre noite no meio da risota geral. Lembras-te daquela mamã extremosa que que analisava à lupa a roupa suja da rapariga para poder ter a certeza de que ela não traía o seu menino?
Que a mãe era paranóica, sem dúvida! Mas o que dizer de homens que se sentem bem neste ambiente tão familiar, e de mulheres que se sujeitam a tudo isto para não contrariar ninguém?...


tsetse @ 00:34

Ter, 08/09/09

 

O pior é que alguns homens (como o autor do comentário seguinte) acham que é até egoísmo uma mulher não se sujeitar aos desejos masculinos. Levaram uma tal lavagem cerebral, que nem conseguem ver a injustiça. 

Daniela @ 18:53

Ter, 08/09/09

 

Não creio que seja isso que o homem que comenta a seguir pretende dizer...
Também há mulheres a convidarem homens para irem viver para a casa de seus pais e homens a aceitarem.
Amor? Alienação? intere$$e? Quem sabe?

Interessente o facto de ser omitido o poder de manipulação dos pais do moço (exemplo dado na sua peça) ou da moça (que também ocorre na vida real), mas até entendo visto ser uma opção do próprio (ou própria) deixar-se ficar nesse mundo.
Não se trata de uma questão do sexo de quem convida (é transversal a ambos na minha curta experiência de vida). Trata-se de uma opção...
Conheço gente muito feliz a viver nestes moldes.

Ricardo @ 23:54

Seg, 07/09/09

 

Gostava de saber porque a tsetse nao comenta também o inverso, ou seja a menina que nao deixa a família e que quem se lixa é o rapaz.
Os comentários generalistas deste blog (como em qualquer sitio) são muito maus e este já não é o primeiro que eu leio aqui.
Mais ainda parece-me que as meninas que aqui postam só conhecem ou namoram com os chamados "machos latinos" ou então neandertais da pré-historia, uma vez que so falam destes imbecis como não existissem outros.

PS: Meninas Feminismo sim, extremismos não.

Um gajo que vai lendo este blog.


tsetse @ 00:27

Ter, 08/09/09

 

Olá Ricardo.  Não sei se percebi muito bem o teu comentário. Quando dizes "a menina que nao deixa a família e que quem se lixa é o rapaz", queres dizer que achas errado o facto de uma mulher não querer ir viver com um homem na casa da família dele, porque quer começar a vida a dois num sítio que também seja o seu lar e onde possa estar à vontade e, se eles têm possibilidades para pagar uma renda, não acha correcto ter que se submeter a uma situação injusta? Se sim, então é em pessoas como tu que eu me baseio para escrever este tipo de posts.


antiego @ 00:45

Ter, 08/09/09

 

Acho que não interpretaste bem o Ricardo. Ele apenas queria fazer notar que também existe o mesmo mudando os sexos e apontou que os vossos exemplos podem levar a pensar que só os gajos são umas grandes bestas.


tsetse @ 01:01

Ter, 08/09/09

 

Eu conheço 3 casos de homens que submeteram desnecessariamente as companheiras a este cenário. Não conheço nenhum caso de mulheres que o tenham feito. Conheço um caso de um casal que foi viver para casa da família dela, mas foi por questões financeiras extremas. 


E a verdade é que muitos homens são realmente umas bestas. Não são todos, eu sei... Mas alguns são e esses têm que aprender a não fazer aos outros o que não gostariam que fizessem a si. Simples, não?


cigana @ 12:10

Ter, 08/09/09

 

Por acaso achei que o Ricardo estava a dizer que também existe o inverso, ou seja, meninas que obrigam os rapazes a ir viver ao colo dos sogros, e que nunca pensamos nessas situações em que o rapaz é que se lixa. Claro que também devem existir, mas não sei porquê a mulher tem mais tendência a anular-se, e por isso é mais debatida a posição configurada no post.
Mas o que se quer é polémica saudável, portanto explica-te tu, Ricardo!


tsetse @ 15:59

Ter, 08/09/09

 

Olá Cigana, ele explicou noutro comentário, mais em baixo.


antiego @ 00:43

Ter, 08/09/09

 

Bolas, tou chocado. Nem sabia que isso existia. É inconcebível, para mim. Pelos vistos o humano é mesmo capaz de tudo.


Agora pergunto-me, e um pouco como diz o Ricardo (que comentou aqui), mas em que raio de circulo social vocês se inserem? Já conheci montes de gente e nenhuma com as atitude e carácter que vocês muitas vezes relatam aqui. E se conheci, foi em situações que o justificam.
Neste caso, o que mais de parecido ouvi falar (e friso - Falar) foi de um teenager de 13 anos, avec (filho de emmigrantes em França) que dormia com a namorada em casa dos pais desta (e se calhar ía dormindo, nem morava lá).

Vocês e as vossas amigas só conhecem bestas, egoístas e egocentricos ou salva-se alguém? O vosso blog está mais a virar o jornal o Crime da blogosfera, lol.
Mas têm piada.


TNT @ 01:07

Ter, 08/09/09

 

Quando se trabalha num local onde há essencialmente homens, há também, infelizmente, muitas histórias para contar. No que me diz respeito, nem sequer afloro as barbaridades que por lá oiço. Até porque fico nauseada...
Conhecemos esses homens, mas, pelo meu lado, não são visita da minha casa, não vou para os copos com eles nem trocamos presentes de Natal. Ou seja, não me dando com eles, conheço-os. A eles e às suas histórias quase impossíveis de acreditar!
Ah, e se começasse a contar aqui algumas, provavelmente, vocês mandavam-me internar!!


antiego @ 01:11

Ter, 08/09/09

 

Conta, conta.

É isto para que servem os blogs: conhecermos realidades das quais nunca ouvimos falar.


TNT @ 01:30

Ter, 08/09/09

 

Mas isso é o que nós fazemos!
Só que depois vocês lançam-se SEMPRE com o mesmo tipo de argumentação: "vocês só conhecem bestas!"
Nós expomos aqui algumas das situações que nos fazem pensar e que nos chocam. Essencialmente para que da discussão nasça a luz. Não somos donas da verdade - eu, pelo menos, não sou e julgo que a Tsetse também pensa assim - e por isso expomos algumas situações que consideramos injustas, absurdas e chocantes. Outras fazem parte do nosso dia-a-dia e das nossas vivências e das pessoas que nos são próximas.
O intuito d' O Interno Feminino é abrir mentalidades e os olhos de quem anda a dormir. Não é provocar só porque sim... mas creio que quem nos lê sabe disso!


antiego @ 04:24

Ter, 08/09/09

 

Pelos vistos, pelo que disse a TseTse, não contam as histórias mais chocantes. bora aí

Ricardo @ 00:56

Ter, 08/09/09

 

Não, nao acho certo o puto (sim porque de certeza que nao é homem) deixar-se ficar no ninho debaixo da asa da mae todo confortavel. Mas também nao acho certo o inverso e que caso nao saiba tambem existe.

Tal como já disse o generalizar e/ou ter ideias pré-formadas sobre qualquer assunto, é mau.

Não ande com a caixa de rótulos na mão a meter em todos os homens que a tsetse conhece ou ha-de conhecer, como neandertais ou machos latinos.

Penso que ninguem deve ser de antemao rótulado como muitas vezes vejo acontecer neste blog, e que as meninas que aqui postam ja foram criticadas por o fazerem em pelo menos uma ocasiao que me lembro.

PS: achei piada antes de me responder e publicar o meu comentario, dar mostras de mais uma vez a ter as ideias já pre concebidas e me rótular automaticamente como um dos que critica no seu comentario.


tsetse @ 01:20

Ter, 08/09/09

 

Como já disse noutro comentário, não conheço nenhum caso em que seja a mulher a sugerir que o companheiro vá viver para a casa dos pais dela, quando têm dinheiro para viverem sozinhos. Pode existir, mas eu não conheço e até acho pouco provável, pois não combina com o espírito feminino.


E eu não generalizei... Eu disse conhecer 3 casos de homens assim. Como já devo ter conhecido (dado o tipo de estudos que tive e a profissão que tenho) mais de 300 pessoas do sexo masculino, isto dá menos de 1%. Os restantes 99% não concordam ou não têm lata para fazer tal barbaridade.


Em relação aos homens serem em média mais egoístas que as mulheres, isso aprendi com a experiência. O que não quer dizer que todos o sejam. Mas que graça teria um post em que falasse sempre em estatísticas e estivesse sempre com o cuidado de falar nas excepções? Já sabemos que em tudo há excepções. 


Também me irrita ouvir homens a dizer que "as mulheres são umas falsas" só porque conheceram 3 ou 4 falsas. Mas é a realidade deles e cada um fala do que conhece. Eu tenho a sorte de conhecer muitas mulheres fantásticas e o azar de conhecer muitos homens egoístas e com a lata de admitir as suas barbaridades sem pudor. Deve ser da minha profissão...

O_Alminhas @ 08:52

Ter, 08/09/09

 

Os meus pais não viam a hora de se verem livres de mim...

 


tsetse @ 16:02

Ter, 08/09/09

 

Deixar os filhos evoluir e fazer as suas próprias escolhas é a maior prova de amor que um pai pode dar. Pois não há nada mais irritante do que um adulto birrento, que não aceita críticas e amua quando é chamado à atenção. E é assim que acabam as crianças demasiado protegidas.

ruben @ 14:55

Ter, 08/09/09

 

bolas, errado outra vez! eu sempre vivi com os meus avós paternos e guardo-lhes uma ternura e amor infinitos. penso neles todos os dias e sinto como ainda me fazem tanta falta apesar de me ter separado deles há mais de vinte anos. eles ajudaram a minha mãe na gestão da casa e na nossa educação. foram ambos um bem precioso demais nas nossas vidas (minha e dos meus irmãos), e não, o meu pai é um quadro superior do estado aposentado, dinheiro foi coisa que nunca nos faltou. mais uma vez o estereotipo está incorrecto.
nota: os meus pais aprenderam a lição com os meus avós e ajudam incondicionalmente as noras, as filhas e os netos no que for preciso: em tempo, dinheiro, atenção... aturam mesmo muito!!!! 


tsetse @ 16:09

Ter, 08/09/09

 

Opções. Eu, se me casar, vou preferir criar um lar só com o meu marido e estar à vontade. E, se tiver filhos, quero ser a responsável pela sua educação. Já diz o ditado: "se queres bem feito, faz tu". E este é o trabalho mais importante do mundo.

Só viverei com a minha mãe, se ela estiver doente e precisar da minha ajuda.

Mulher @ 15:03

Ter, 08/09/09

 

Isso é real?? Acontece mesmo???
Bolas que os gajos não páram mesmo de me surpreender pela negativa... é como dizes, alguns são umas autênticas bestas!!!!!!
Hoje em dia não sabem ser homens. Perderam-se da sua natureza máscula, da verticalidade, força, dinamismo, firmeza.

A maioria dos homens de hoje são uns flácidos, inseguros, continuamente a projectar a sua mãe nas mulheres que encontram, e querendo isso delas. Alguém que os apoie, cuide, enalteça o seu ego fragilizado, que o faça sentir-se bonito...enfim, alguém que lhes preencha todas as incertezas e inseguranças.


tsetse @ 16:10

Ter, 08/09/09

 

Acontece e, do que conheço, sempre com homens preguiçosos.

Francisco @ 18:35

Ter, 08/09/09

 

Não sei quantos casos conhece, mas eu conheço vários, tanto no masculino, como no feminino.

Não creio que seja um problema de género, até porque conheço mais mulheres nesta situação do que homens.

Não vou criticar as escolhas dos outros, até porque a minha experiência de vida é bem diversa, uma vez que desde os 17 anos (sem necessidade) que sou completamente independente dos meus pais.
Comecei por alugar casa (que rápidamente rentabilizei ao alugar o outro quarto a outro rapaz).
Com a 1.ª entrada no quadro de uma empresa pude comprar casa... era pequena mas era o meu castelo...
Tive de estudar de noite para trabalhar de dia e pagar o preço dessa independência.
Tive de realmente aprender a cozinhar, a limpar, a lavar, a passar a ferro e não me arrependo desta minha opção.

Se sou melhor que o perfil que narras?
Não... não me considero melhor... apenas diferente.


Nota 1: Foi por opção minha (e por amor) que deixei de morar sozinho...
Nota 2: Tenho duas Mães (ou duas sogras...) a minha e a da minha "Sócia".
Ambas já passaram a linda barreira dos 69 e têm (quando necessário) um quarto na nossa casa... mas tal só é possivel porque quando estão não intreferem na nossa vida familiar...


tsetse @ 14:22

Qui, 10/09/09

 

Pois eu acho que és melhor. Lutaste e trabalhaste pela tua independência.

Mary Jane @ 00:00

Qua, 09/09/09

 


Existem malucas para tudo.
Não tenho perfil para aceitar coisas dessas ou se quer pensar nisso:/
Poupem-me...
para isso ficava cada um na sua casa

Pesquisar
 
comentários recentes
meu caso é meio parecido,mas so houve beijo,mas ai...
Quando as variáveis filhos e questões financeiras ...
Boa Tarde,Depois de muito pesquisar na net sobre a...
Viva, gostei do tema e tem razão, as Portuguesas s...
Sim, eu sei. Mas o que dói nao é tanto o que se pa...
Ele não contou porque achou que, se a Anónima não ...
Posts mais comentados
Arquivos
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D