tsetse @ 18:01

Ter, 08/07/08

Sempre tive cuidado em não dizer que nunca faria uma determinada coisa, pois a experiência ensinou-me que a vida dá muitas voltas e há circunstâncias (ou loucuras) inesperadas.

Lembro-me de ter uma amiga que era muito intransigente em relação a traições ou relações com chefes. Lembro-me de a ouvir chamar os piores nomes às amantes dos outros e de ridicularizar duas conhecidas nossas que começaram a namorar com os chefes (que por acaso até eram desimpedidos). Por muito que eu argumentasse, ela nunca cedia nas suas convicções. Um dia ela enlouqueceu (ou caiu em paixão, como preferirem) e traiu o namorado com o chefe, que por acaso era casado. Mais do que a história em si, todos criticaram o facto de ser ela, tão puritana e tão crítica em situações semelhantes, a entrar na história.

Acho que, no fundo, todos os que a conheciam bem ficaram profundamente desiludidos e com o sentimento de terem perdido horas a argumentar com ela em vão, pois, afinal, ela provavelmente não tinha acreditado no que tinha defendido. Se eu já tinha medo de dizer "desta água não beberei", depois deste episódio, comecei a evitá-lo ao máximo.

No entanto, tenho que admitir que me vejo agora numa destas situações. Eu sempre disse que jamais diria mal de um ex-namorado. Essa era uma daquelas certezas que eu achava que não poderia ser abalada. Por duas razões: porque dizer mal de um ex-namorado é por si só desacreditar a nossa capacidade de escolha; e porque partilhámos a nossa intimidade com ele e não devemos lavar a roupa suja em público de quem, algures, confiou em nós. Até ao dia em que tive um ex-namorado tão execrável, que, para além dos defeitos que já tinham sido detectados durante a relação (e que levaram ao seu fim), começou a mostrar outros que o qualificam como alguém sem o mínimo de escrúpulos, vergonha ou princípios. Ao fim de uns anos, era impossível manter-me calada sobre tal comportamento.

Aprendi, da pior maneira, que é fácil dizer "nunca", quando não se passou por situações extremas. Se calhar, existe mesmo "mau casting" (como diziam as minhas amigas, em conversas sobre o assunto) e pessoas que escondem os seus verdadeiros valores durante um determinado período de tempo. Se calhar, eu não avalio tão bem o carácter dos outros como pensava. Se calhar, eu tinha era tido sorte com todos os outros ex-namorados.

E, à medida que a vida vai passando, vai sendo cada vez mais difícil ter fortes convicções. Parece que há sempre alguma coisa (loucura ou cegueira passada, pessoas más, o que for) que nos empurra para o meio, para a vulgaridade dos politicamente correctos e dos clichés.
 

Tsetse



demasiadojustaounao @ 18:46

Ter, 08/07/08

 

Tambem dessa opinião que nunca deveremos dizer que dessa agua não beberei... Pk a vida dá tt voltas, às vezes no bom sentido outros no inverso.

Mas o certo é que a critica faz logo de nós uma pessoa não mt coerente, pk os pontos de vista podem ser tantos e jamais ser septica. tambem dizia que jamais ficaria inimiga de um " ex" e hoje mete-me nojo e não suporto sequer olhar pra ele.


Bjs

Patricia @ 02:04

Ter, 22/07/08

 

Diante a experiencia em que vivo, tomo muito cuidar ao dizer "nunca", pois disse que não iria gostar de uma certa pessoa por ele ser feio e cheio de vícios e hoje o mundo deu uma grande volta pois acho que gosto mais dele do que ele de min.

Mir @ 20:29

Ter, 08/07/08

 

Bom... numa situação como a que descreves (a tua), eu acabei por andar foi a dizer mal de mim por ter sido tão totózinha que cheguei a dar uma oportunidade a uma pessoa que mostrava todos os sinais de ser um lobo sob pele de carneiro... mas acho que me passou a cegueira e já me vi em situações em que antigamente era capaz de ter ficado derretida mas agora com a experiência consigo perceber perfeitamente o teatro que aquilo está a ser... Ou seja: test drive de 6 meses pelo menos para conhecer alguém como deve ser...
Cheers***

Delphine @ 21:35

Ter, 08/07/08

 

Pois a questão não é só de se ter ou não convicções ou de se ser excessivamente critico ao ponto de dizer que nunca se fará alguma coisa.

Cada vez mais se trata de uma questão de natureza humana, e, por isso, eu não acredito na questão de podermos avaliar bem ou mal as pessoas que nos rodeiam. Muitas vezes as pessoas que nos são mais próximas mudam e nós não damos conta e dai vem as atitudes que antes achavamos que não seriam capazes de ter.

As pessoas são cada vez mais egoistas e só olham para o que querem sem pensarem nas consequências dos seus actos sobre si próprios e sobre os outros. E dai vem os "ex" absolutamente execráveis e as amigas que fazem tudo ao contrário do que tão afincadamente defendem...

No entanto no final o que importa é que sejamos fieis aos nossos principios em qualquer situação e que no final do dia pousemos a cabeça na almofada 100% tranquila. :)

Mais um post excelente!

Joana Baptista @ 22:16

Ter, 08/07/08

 

Na vida somos perseguídos pelas escolhas que fazemos quer racionais quer irracionais... Nas que tocam ao amor normalmente são irracionais pois o que por vezes nos parece perfeito é um poço de defeitos, porque ninguém é perfeito.
Não és nem serás a única a achar tal coisa de um ex..

Desculpa a invasão mas gostei bastante do blog
ps: Quanto as santinhas que dizem não fazer isto ou aquilo, normalmente revelam ser as que apresentam pior comportamento logo maior desilusão :P

beijinhos,
Joana

Miguel @ 12:15

Qua, 09/07/08

 

A verdade é apenas esta: Nunca nada é tão simples como podia ser.
Nem os chavões como este nem a sabedoria popular (ditados, provérbios e afins) têm as respostas que gostávamos de alcançar.
Resta evitar o compromisso com ideias, sentimentos, princípios, e seremos vistos como coisas em vez de pessoas, ou assumir que Sou, Penso, Defendo, e quando a vida nos ensinar algo mais ter a humildade de dizer que Já Fui, Já Pensei, Já Defendi, mas descobri que afinal....
Todos criticam o Mário Soares pelas mudanças de opinião. Mas ele, com a sua vivência, experiência, acumulada, tinha a honestidade de mudar publicamente de ideia sempre que descobria que a anteriormente defendida não era uma verdade absoluta.
E agora, cara Tsetse? Serás uma vira-casacas? Não, pois não?! Apenas mais sabedora e, por isso, mais flexível nas convicções.

AM @ 13:01

Qua, 09/07/08

 

Acho natural que sintas necessidade de extravazar o teu desgosto e desabafar sobre aquilo que o teu ex-namorado te fez. No entanto, a minha postura nessas coisas tem sido a de "não dar mais importância aos acontecimentos do que aquilo que eles merecem".
Não acho que existam "maus castings" ou "bons castings", nem acho que à partida seja possível fazer uma avaliãção do verdadeiro carácter de alguém, porque as pessoas raramente revelam aquilo que são... Por isso, por vezes, há pessoas que nos surpreendem... e a tua amiga é exemplo disso, pela negativa.
A meu ver, o problema está na falta de honestidade do "outro", ou talvez na "falsa publicidade" que as pessoas fazem sobre si mesmas. As pessoas não são abertas, escondem o seu verdadeiro carácter e nós não temos forma de filtrar isso a não ser quando começa a haver "deslizes"....
Sim, é triste que seja assim...
Mas, felizmente, ainda há pessoas "sãs" neste mundo, e é por elas que vale a pena continar a sorrir!
Tenta ultrapassar rapidamente o desgosto que tiveste, para que possas seguir a tua vida com um sorriso e com a consciência de que és melhor do que ele.


Inocêncio da Silva @ 18:11

Qua, 09/07/08

 

A história é que dita os heróis e os bandidos, tsetse ...
O facto de esta ou aquela personagem de um determinado enredo, seja ou não seja um biltre, um sanguinário, um larápio ou um valdevino é meramente uma questão temporal.
Não duvides da convicção com que, por vezes, adjectivamos este ou aquele personagem, pois naquele momento e naquele contexto mil rios vêm desaguar aquele mar, dando uma tonalidade característica ás aguas onde bebe quem fala.
O tempo seca muitas fontes e a cor desse mar muda, assim como a voz de quem dele bebe.
Fica para a memoria um tempo em que o dito teve a cor x, y, ou z.
Uma opinião não é mais que o culminar da vivência de alguém no momento em que o verbalizou...e nada mais.
Uma opinião é apenas um momento, e não uma era ou uma vida!

os_meus_rabiscos @ 13:29

Qui, 10/07/08

 

Costumo passar por aqui... Gostei deste post e aqui fica o meu comentário. Este texto é sinal de maturidade e crescimento. A vida está aí a mostrar às pessoas cheias de certezas o que estas valem... Não dizer desta água não beberei é uma decisão sensata. Já me aconteceram coisas que , há uns anos atrás, teria jurado impossíveis.
Por isso o melhor é sermos tolerantes e deixar as ideias feitas num canto.

Ser Perfeito @ 18:34

Qui, 10/07/08

 

Se calhar, existe mesmo "mau casting" .... sem dúvida alguma...


oamante @ 16:08

Sex, 11/07/08

 

Calma Tsetse... és demasiado nova para tanta amargura e comodismo!
Isso passa!
Agora... é verdade que vemos tanta coisa acontecer, quanto mais vivemos e por isso vamo-nos encolhendo e aceitando quase tudo! Mas podemos sempre lutar mais um pouco.
Afinal de contas... esta é uma guerra muito antiga. «Conheci» um fulano que dizia «que quanto mais conhecia os homens, mais gostava dos animais». Era um tal de Sócrates... o de há dois mil e tal anos!
Com mais alguma experiência (leia-se anitos) e olharás para esse tal de «namorado» com alguma complacência.

Pesquisar
 
comentários recentes
meu caso é meio parecido,mas so houve beijo,mas ai...
Quando as variáveis filhos e questões financeiras ...
Boa Tarde,Depois de muito pesquisar na net sobre a...
Viva, gostei do tema e tem razão, as Portuguesas s...
Sim, eu sei. Mas o que dói nao é tanto o que se pa...
Ele não contou porque achou que, se a Anónima não ...
Posts mais comentados
Arquivos
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D