TNT @ 00:44

Ter, 20/02/07

Da mesma forma que existem (ou vão existir) consultas de aconselhamento e reflexão por causa da IVG, o oposto também se deveria pôr - a IOG.

Venho a saber de uma história duma idiota que conheço, mãe, anoréctica e louca, e que já se encontra às portas da morte ligada a várias máquinas porque os orgãos já nem funcionam, etc.

Eu: “espero que não esteja num hospital público a gastar recursos e a tirar a vez de alguém que precise... - Que não, que está na cuf. - Boa...
- Ah e coitada da criança, deixa um miúdo pequeno...
Eu: O quê? A sorte da criança é ela morrer! Assim, ainda pode vir a ter hipótese de ter uma vida normal!”
- Ah, és péssima e tal...

Oh meus amigos... Nem toda a gente está habilitada a ser mãe ou pai. Quando nascemos, não vimos logo com essa licenciatura.

Eu acho que deveria haver uma licença de aptidão que se tinha de tirar para se poder ser progenitor. Para se arranjar um emprego é preciso passar em testes psicotécnicos, de personalidade e sei lá mais o quê. Para se ir para a tropa, que é coisa para uns quatro meses, é preciso estar apto. Mas para se ser pai ou mãe, que dura a vida toda, não é preciso aptidão nenhuma? Onde está a coerência?

Fazem-se exames médicos para ver se a saúde da futura mamã está em conformidade. E da saúde mental, ninguém fala? É que depois, é destas mães, que nascem os psicopatas ou psicóticos, que mais tarde irão chatear quem? A nós! Às mulheres que se lhes cruzarem no caminho.

Devia haver uma comissão, composta por médicos, psicólogos, sociólogos e outros, que avaliariam a aptidão para a maternidade. Mulheres como a que referi, eram logo esterilizadas! Nem se corriam mais riscos!

Política de prevenção: menos riscos, menos custos!
Uma poupança em recursos e chatices, só vos digo...

TNT


Eu (outra vez) @ 02:07

Ter, 20/02/07

 

"Devia haver uma comissão, composta por médicos, psicólogos, sociólogos e outros, que avaliariam a aptidão para a maternidade. Mulheres como a que referi, eram logo esterilizadas! Nem se corriam mais riscos!"

-*-*-*-

Esse género de atitudes é muito comum em quem confia nessas pseudo-ciências como a psicologia e a sociologia que de actividade cientifica têm menos do que por exemplo a astrologia que pelo menos se rege por métodos objectivos, embora a interpretação dos dados seja tudo menos objectiva ou preditiva.

Serve este preâmbulo para estranhar que tantas e tantas vezes esse género de acção "preventiva" como esterilizar pessoas, prender ou restringir a liberdade de uma pessoa sem que esta tenha cometido qualquer crime seja defendido por quem acredita nas artes divinatórias a que se refere.

Não tendo a psicologia nem a sociologia quase valor preditivo algum (e isto actualmente é irrefutável para a psicologia e a nível do indivíduo para a sociologia), é no mínimo estranho os seus defensores terem tanta certeza e "confiança" (fé) nas suas capacidades que não tenham qualquer pejo em utilizar avaliações que essencialmente dependem do humor de quem as faz para com base nelas decidir aspectos cruciais da vida de outras pessoas.

Uma coisa é cometer um crime e ser punido por isso. Por exemplo quem abusou de crianças provavelmente deveria ser esterilizado, mas apenas depois de se provar irrefutavelmente que o fez. Leu bem o termo crucial? depois.

Se calhar, por causa disso também deveria ser esterilizada. "Nem se corriam mais riscos!" (nas suas próprias palavras) de criar filhos com base em valores de impulsividade e agressividade infundada como este seu post evidencia.
O que acha?

P.S: Estou curioso se isto passa na censura. Sinceramente. Fico a aguardar.


TNT @ 02:33

Ter, 20/02/07

 

Só não sei se o hei-de mandar "pró" ou "para o"...
E devo acrescentar que a sua sede de protagonismo neste blog foi finalmente satisfeita. Para todos verem!
Este é o leitor que eu frequentemente tenho o maior prazer em censurar. Não compreendo a sua raiva... Dormi com algum namorado seu e ele nunca mais quis nada consigo? Ou será que nós dois já tivemos alguma coisa e eu entretanto fui apanhar ar para outras paragens?
É que começo a achar que as suas motivações são mais pessoais que literárias...

P.S.: Mesmo que responda, não vou publicar. O seu protagonismo neste blog terminou aqui. Se quiser, faça o seu próprio blog para exorcisar a sua raivazita de algumas mulheres com convicções. E com certeza que terá mais adeptos...


V.A.D. @ 03:05

Ter, 20/02/07

 

Esqueceu-se, talvez, das psicopatas e psicóticas...
Subscrevo aquilo que escreve sobre a patente incapacidade de algumas mulheres para a maternidade.

Cumprimentos


TNT @ 03:15

Ter, 20/02/07

 

Caro VAD,
Esquecer não esqueci!
Não me cruzo é tanto com elas!

antídoto @ 15:39

Ter, 20/02/07

 

Expressas-te de uma forma um pouquinho radical.
Sim, se as pessoas fossem máquinas podia-se mandar fora uma avariada.
Não creio que sejas mesmo assim, completamente indiferente e rígida relativamente ao que é humano, com tudo o que este tem de imperfeito.


TNT @ 16:25

Ter, 20/02/07

 

TNT is finally back!
Para situações radicais, soluções radicais.
Acho que a função pai/mãe é a mais importante que existe. De uma responsabilidade extrema e absoluta. (por isso não sou mãe, acho que sou inconstante demais)
Se conhecessem a criatura a que me refiro e em que me baseio, as suas histórias e o mal que tem espalhado, com certeza que achariam que esterilização seria o mínimo exigido...
Reafirmo que nem toda a gente está apta a criar filhos. E custa-me ver e saber de crueldades inflingidas a tantos miúdos. Mas como não deixam marcas visíveis, não se podem denunciar.
Fazê-los e tê-los é fácil, qualquer animal consegue.
Há gente que não merece respirar, nem ocupar espaço vertical. Como podem merecer ter filhos?
Mas eu sei que é politica e socialmente incorrecto dizer estas coisas. Já senti-las... fica ao critério de cada um.




cigana @ 19:43

Ter, 20/02/07

 

Porra! Desculpa a expressão, mas tirar um curso superior foi canja (e na altura não achei) em comparação com a tarefa de ser mãe! E uma grande verdade é que nunca se está preparado para o primeiro filho, começa aí a nossa aprendizagem contínua. Também há quem não esteja preparado para filho nenhum, pelos casos que se ouve falar constantemente.
Claro que a tua sátira seria muito controversa, olha uma lei a regulamentar quem é que estava apto para ter filhos... Mas lá que concordo que não é um direito inato a toda a gente, isso concordo.


TNT @ 12:34

Qua, 21/02/07

 

É óbvio que a parte da esterilização não seria possível.
Mas uma entrevistazinha a convidar à reflexão, se calhar não era nada mal visto!...

psiquê @ 20:05

Ter, 20/02/07

 

Venho por este meio iniciar um abaixo assinado para que os comentários do 'Eu (outra vez)' não sejam censurados. A gente depois ri-se de quê?
Permitam-me q me alheie um pouco do tópico principal para comentar este post. Achei tão delicioso a parte da Psicologia vs Astrologia. Ui! Que bom!
Não me compete a mim - não teria paciência nem motivação para tal - explicar-lhe o q é uma ciência, mas penso q antes de falar sobre o q n sabe, ele poderia pelo menos consultar o dicionário.
Quanto às avaliações dependerem 'do humor de quem as faz' concordo plenamente. Sem um pouco de humor, como é q se conseguiria encarar um processo de avaliação com um exemplar assim?
Mas o q considero verdadeiramente extraordinário é esta fraca capacidade de autocontrole demonstrada por alguns intervenientes. Porque é q levam as coisas tão a peito? Um blog é um blog... É suposto os seus criadores dizerem o q pensam, o q sentem, s se preocuparem em serem socialmente correctos. Quem n concorda tem todo o direito - e dever - de expressar a sua opinião, mas escusa de sofrer c isso. Senão, qq dia os criadores do blog sentem-se culpados por causarem tanto trauma, e ainda têm de recorrer a um Astrólogo para os tratar... Maya? Maya? ESTÁS AÍ?


TNT @ 12:40

Qua, 21/02/07

 

Lamento psiquê mas não vou poder concretizar esse desejo de ver publicados os comentários daquele senhor. De resto, ele hoje já tentou (com outro nick) mas a coisa não correu bem.
Existem regras no poker (o qual jogo há muitos anos) que se devem respeitar: nunca subestimar o jogo do adversário; nunca sobrestimar o jogo do adversário; nunca fazer bluff se o adversário for melhor que nós e finalmente nunca mostrar o nosso tique quando é a nossa vez.
E com esta me fico, que para bom entendedor (inteligente ou não tanto) meia palavra basta...

não posso dizer o nome @ 11:56

Qua, 21/02/07

 

Cuidado com as medidas radicais!!!!! Nas décadas de 20 e 30 do passado século XX existiu um politico austríaco com ideias semelhantes de esterilização e castração. Além destas ideias ele conseguiu por em pratica outras mais que tinha na manga. O rapazito dava pelo nome de adolf e foi o maior anticristo que a história pode testemunhar. Os critérios e motivos desse senhor eram tão leves comos os relatados neste post. É preciso ter muito cuidado quando se aponta o dedo, porque nunca sabemos ao certo onde é que este vai acertar, com um bocadinho de azar ainda acabamos por meter o dedo numa das vistas e com bastante força. O problema dessa rapariga não exige nem condenação nem qualquer tipo de punição, mas sim compreensão e ajuda. Tenho a certeza de que não existe ninguém ao seu redor que sofra mais do que ela. Anorexia é uma chaga infame da sociedade contemporânea. São as pestes medievais da actualidade: a anorexia, a sida, a toxicodependência…lembro-me bem da implacabilidade social em relação aos toxicodependentes nas décadas de 70 e 80, até ao momento em que deixou de ser um estigma de classes sociais mais desfavorecidas e se tornou um problema nacional em que praticamente todas as pessoas tinham um familiar ou amigo toxicodependente. Pois é, quando é com os outros, tudo não passa de uma pouca-vergonha e deviam era metê-los na cadeia para aprenderem. Quando nos toca pela porta e temos o azar de nos calhar um filho ou um irmão, aí então passamos a chamar-lhe doença e a considerar um problema social. Os brasileiros têm um provérbio que, perdoem-me o atrevimento, me parece adequado e diz “mostarda no cu dos outros é refresco”. Muito cuidado quando nos propomos a esterilizar os outros, porque os outros também podem pensar o mesmo de nós, e isto não tem na que ver com o conhecimento científico é apenas a minha opinião.


TNT @ 12:30

Qua, 21/02/07

 

Acho incrível como os homens se focam apenas na questão da esterilização e não no ponto fulcral deste post que é o da total irresponsabilidade e insconsciência de alguns pais.
Chama-me nazi. Está no seu direito.
Como eu estou no meu direito de dizer e reiterar que acho que há pessoas que deveriam ser avaliadas antes de poderem procriar. Não estou com isto a excluir-me do conjunto. Nem a si. Nem a ninguém.
Sei que num estado democrático estas coisas são impensáveis. Mas por viver num estado democrático, tenho direito a pensar e espantem-se(!) a expressar o que penso...
Quanto à anorexia ser um flagelo... Um flagelo é essas gajas terem filhos e não lhes darem comida também. Isso para mim é um flagelo! Elas não comerem e morrerem são consequências do mal que sofrem, do caminho escolhido, sei lá. Espalharem o mal por pessoas inocentes, não aceito. Não posso aceitar! Recuso-me! E hei-de continuar a demonstrar a minha indignação da forma que melhor consigo. Aqui no blog. Se ofendo alguém, lamento. Mas lamento mais ainda, as pessoas aceitarem que estas coisas aconteçam, como se de um dano colateral se tratasse e escudarem-se atrás do politica e socialmente correcto.

não posso dizer o nome @ 14:05

Qua, 21/02/07

 

A minha intenção não é chamar-lhe nazi, tnt. Desculpe o meu “puxa saco” mas pelo que a tnt escreve neste blog atrevo-me a dizer que você é uma pessoa doce e bela por detrás dessa mascara estóica e independente que caracteriza alguns dos seus posts. Eu acho um pecado tentar esconder a sua verdadeira natureza.


TNT @ 15:31

Qua, 21/02/07

 

Ui... agora ruborizei...

não posso dizer o nome @ 16:13

Qua, 21/02/07

 

É proibido gozar com os animais expostos na web

psiquê @ 19:05

Qua, 21/02/07

 

Infelizmente, enquanto passeávamos aqui pelo blog, a comentar este 'post' houve mais uma criança de 11 meses a dar entrada- já cadáver- num hospital português, devido a traumatismos crâneo-faciais.
E pasme-se! A Segurança Social nunca desconfiou deste casal 'de nível socio-económico médio/baixo' (sic). Sim... interessa mto saber qto é q os senhores auferem por mês, onde moram, etc... E uma avaliaçãozita aos ditos cujos, não???? E uma avaliaçãozita a quem deveria estar atento e q pelos vistos n está assim tanto????
Independentemente da faixa etária, do sexo, do vencimento mensal, da zona onde se vive, etc., há bons e maus pais. Assim cm há bons e maus condutores, bons e maus professores, etc. Tal cm existe uma infinidade de maus tratos, q n passam necessariamente por agressões físicas e q passam tantas vezes despercebidos neste País de 'brandos costumes'.
O problema, a meu ver, é q as crianças portuguesas n são suficientemente acompanhadas, e mtas vezes, qd alguém + atento dá o alerta, falha toda a máquina burocrática q nos permitiria retirar esta criança dos pais, mesmo q temporariamente. Pq é possível (e desejável) acompanhá-los e alterar comportamentos, mas primeiro há q haver uma denuncia e um diagnóstico destes casos... Onde andam estes Astrólogos q tanta falta fazem? Maya? Maya?


TNT @ 21:34

Qua, 21/02/07

 

Pois é...
É uma tristeza ter logo uma notícia destas hoje a corroborar a ideia de que nem todas as pessoas servem para pais.
Mas pelos vistos, psiquê, nem com estas notícias, as pessoas abrem os olhos. Preferem estar muito confortáveis, oscilando entre o futebol e as novelas. E tudo o que sair das normas, é loucura, radicalismo, nazismo e afins.
É triste, mas vivemos mesmo num país de floribelas...

psiquê @ 18:22

Sex, 23/02/07

 

Olha, aí está uma q eu acho q tão cedo n dará uma boa mãe (pronto, já irritei meia plateia!). Simplesmente pq para se ser mãe há q se descentrar um pouco de si próprio, crescer... E qd se tem uma tal projecção nesta fase inicial da vida, e se alcança tudo o q se quer, dificilmente se consegue dar... Eu n digo dar monetariamente -isso p mim continua a ser um comportamento pouco maduro- mas sim dar um pouco de si... Pensar primeiro no outro.
Convenhamos q nem toda a gente tem essa capacidade (assim de repente lembro-me de pelo menos uma duzia de pessoas centradas em si mesmas... espera.. 2 dúzias...3?), e nem toda a gente se acha c queda p ter filhos, mas ser capaz de fugir ao 'socialmente quase imposto' e decidir mesmo n os ter é para mim uma das maiores provas de q se é um bom progenitor. (bolas, acabei de irritar o resto da plateia).

melkitty @ 18:54

Sex, 23/02/07

 

Enfim! Alguém que partilha este opinião ! Estou mesmo feliz de ver que existe ainda pessoas inteligentes ;-)
Não sei porque é que muitas pais não percebem que a felicidade e o equilíbrio mental dos filhos passa primeira para o bem estar psicológico dos pais! xau

Pesquisar
 
comentários recentes
meu caso é meio parecido,mas so houve beijo,mas ai...
Quando as variáveis filhos e questões financeiras ...
Boa Tarde,Depois de muito pesquisar na net sobre a...
Viva, gostei do tema e tem razão, as Portuguesas s...
Sim, eu sei. Mas o que dói nao é tanto o que se pa...
Ele não contou porque achou que, se a Anónima não ...
Posts mais comentados
Arquivos
2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D